Pra começar, a questão central desse post não tem nada a ver com curtir ou não MMA. Ah, e se for importante, sim eu curto.

Mas o que me fez pensar em escrever esse post foi a declaração do Rafinha Bastos, logo após a última luta, avisando pra gente se preparar, que agora iríamos ver Anderson Silva em toda e qualquer propaganda. Dia desses começou a circular a foto da campanha do dia dos pais da Riachuelo e eu não aguentei de tanta felicidade.

Desde que a Philipps convidou Anderson pra ser garoto propaganda de um novo barbeador, a Marisa Monte fez um clip e etc, eu venho lembrando de um dos depoimentos mais recorrentes dos modelos negros que entrevistei durante a minha pesquisa pra tese, entre 2005 e 2006: “Para o mercado publicitário no Brasil, negro não usa barbeador, não escova os dentes, não usa absorvente, não usa margarina no café da manhã, não usa repelente etc“.

Lá se vão sete anos. E, ainda hoje, com apenas uma análise rápida, percebemos que as observações ainda fazem todo sentido. E vai ser lindo ver Anderson Silva subvertendo essa cena, não?

Já vejo uma reinterpretação de uma das estrofes mais emblemáticas da música Negro Drama, do Racionais Mc´s: “seu filho quer ser preto, há, que ironia, cola o pôster do Spider aí, então, o que você diz? Sente o Negro Drama vai, tenta ser feliz!”

Eu quero é mais que ele domine as telas, jornais e páginas de revista do país que cisma em ter Gisele Bundchen como símbolo da beleza nacional.

Com um beijo especial pro meu amor Tet Mendes, pro meu afilhoado Kevin e pra minha eterna musa e orientadora, Mirian Goldenberg.